Home » » PRESERVAÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA NAS TELAS, HOMENAGENS E DEBATES NO FESTIVAL ARQUIVO EM CARTAZ

PRESERVAÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA NAS TELAS, HOMENAGENS E DEBATES NO FESTIVAL ARQUIVO EM CARTAZ


Festival internacional de cinema de arquivo terá primeira edição entre os dias 9 e 13 de novembro no Arquivo Nacional, Espaço BNDES e Cine Arte UFF; evento oferece programação gratuita com exibição de 50 filmes em 27 sessões, presta homenagens à atriz Carmem Santos e ao pesquisador Jurandyr Noronha


Entre os dias 9 e 13 de novembro, o Rio de Janeiro celebra sua história durante a realização da primeira edição do Arquivo em Cartaz, festival internacional de cinema de arquivo promovido pelo Arquivo Nacional em parceria com a Universo Produção. Em exibição 50 filmes nacionais e internacionais, em pré-estreias e retrospectivas – longas, médias e curtas – distribuídos em 27 sessões de cinema, mostras itinerantes e temáticashomenagens, oficinas, debates, exposições que acontecem no Arquivo Nacional e no Espaço BNDES, na cidade do Rio de Janeiro; e no Cine Arte UFF, em Niterói.

Nesta primeira edição, o Arquivo em Cartaz celebra os 450 anos do Rio de Janeiro lembrando um momento estratégico para a cidade: entre as décadas de 1920 e 1930, algumas das mais importantes iniciativas do cinema brasileiro aconteceram em terras cariocas, o que ajudou a fomentar a discussão sobre a formação de uma indústria cinematográfica no país e o caráter cultural, artístico e político dos filmes produzidos. O evento tem como eixo temático a discussão em torno da preservação de acervos cinematográficos, o uso de materiais de arquivo, destacando a (re)utilização das imagens em novas produções, e representa importante instrumento de formação, reflexão, divulgação e incentivo a realização de filmes com imagem de arquivo

“O Arquivo Nacional é um dos maiores depósitos de filmes do país, detentor de um material muito sensível, que demanda atenção especial para evitar sua perda. A realização de um evento como o Arquivo em Cartaz reforça a importância da valorização e preservação, de forma permanente, deste valioso documento histórico. Este festival nasceu do seio da instituição, motivo pelo qual temos as melhores expectativas e a certeza de que se consolidará como uma iniciativa fundamental para a divulgação dos acervos fílmicos e para o registro da história do país”, ressalta o diretor-geral do Arquivo Nacional, Jaime Antunes da Silva.

“O patrimônio cultural das imagens é um dos eixos mais importantes da memória e identidade sociocultural de um País. O Arquivo em Cartaz representa uma frente ímpar no Brasil, que tem como propósito refletir a preservação de acervos cinematográficos, valorizar a pesquisa e produções que utilizam imagens de arquivo ampliando as possibilidades do público conhecer nossa história”, afirma a diretora da Universo Produção e coordenadora geral de produção do evento, Raquel Hallak.

HOMENAGENS E ABERTURA

A abertura do Arquivo em Cartaz – Festival Internacional de Cinema de Arquivo acontece no dia 9 de novembro (segunda), às 19h30, no Cine-Pátio - Arquivo Nacional (Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro). Na ocasião, serão prestadas homenagens à atriz, produtora e diretora Carmen Santos e ao escritor, pesquisador e diretor Jurandyr Noronha - personalidades relevantes do cinema brasileiro que serão evidenciadas no evento em debates e exibição de suas obras. 

Na sequência, serão exibidos três curtas: Família Movie, dirigido por Ana Moreira e que pode ser considerado o mais raro em exibição, uma vez que se trata de filme de família produzido na década de 1930 e hoje pertence ao acervo da Fundação Centro Brasileira de TV Educativa; Inconfidência Mineira: sua produção, assinado por Jurandyr Noronha, e Mulheres no Cinema – Episódio Carmen Santos, dirigido por Lúcia Murat e integrante da série produzida com o objetivo de apresentar curtas dirigidos por mulheres no cinema brasileiro.

FILMES E MOSTRAS TEMÁTICAS

A programação do Arquivo em Cartaz está dividida em seis mostras temáticas: Mostra Rio em Movimento, Mostra Competitiva Cinema de Arquivo, Mostra Acervos, Mostra Homenagem, Mostra Arquivo Faz Escola e Mostra Arquivos do Amanhã, cada uma delas com um conceito próprio e bem definido.

A curadoria do Arquivo em Cartaz foi realizada pelos servidores do Arquivo Nacional, Antonio Laurindo e Mariana Lambert. Toda a seleção de filmes foi pensada com o objetivo de proporcionar a análise, a reflexão, o debate e a formação do público. “O que norteou o trabalho da curadoria foi analisar filmes que utilizaram imagens de arquivo, mas também que tivessem uma relação com o Rio de Janeiro, em função da comemoração dos 450 anos da cidade, valorizando personagens importantes, como o Carlos Imperial, uma figura controversa. Destaco ainda a cultura da praia, tão enraizada no imaginário carioca, mas alvo de tantas reflexões sobre o acesso a este espaço”, afirma Antônio Laurindo.

O belo conjunto arquitetônico do Arquivo Nacional e o Espaço BNDES sediarão a Mostra Rio em Movimento, composta de filmes hours concours em quatro pré-estreias - Eu sou Carlos Imperial (Renato Terra e Ricardo Calil)São Sebastião do Rio de Janeiro, a formação de uma cidade (Juliana de Carvalho), Paisagem Carioca – Vista do Morro (Marco Antonio Pereira) e Arpoador – Praia e Democracia (Hamsa Wood e Helio Pitanga). São filmes em pré-estreias nacionais que possuem relação com o aniversário de 450 anos da cidade do Rio de Janeiro. Projetam os espaços, a rotina ou personagens que ajudaram a construir a memória de uma das cidades mais importantes do país. As imagens de diferentes acervos (públicos, privados, nacionais e internacionais) ocupam um lugar de destaque na narrativa dos filmes escolhidos, revelando a qualidade da pesquisa e as diferentes possibilidades de usos dos arquivos, traçando um mosaico sobre a história, cultura, convívio social e mudanças da Cidade Maravilhosa ao longo de todos esses anos.

Com o propósito de valorizar as mais recentes produções cinematográficas que utilizam material de arquivo e ser instrumento de reflexão sobre as múltiplas possibilidades de (re)utilização dos arquivos de filmes entra em cena a Mostra Competitiva de Cinema de Arquivo. Aberta a todos os gêneros, do documentário à ficção, passando pelo cinema experimental, foram selecionados 20 filmes - longas, médias e curtas nacionais e estrangeiros.

Em destaque os filmes Mário Lago (Marco Abujamra e Markão Oliveira), Verão da Lata (Tocha Alves e HanáVaisman), Geraldinos (Pedro Asberg e Renato Martins), Joel e Gianni (Maria Rita Nepomuceno), Anita (Luca Magi), A Casa do Mário (Luiz Bargmann Netto), Vacanze al Mare (ErmannoCavazzoni), Elena (Petra Costa), O ano do saque (Rodrigo Dutra e Victor Ferreira), Eu vi (Fábio Eitelberg, Patrick Torres e Pedro Biava), A História Oculta (Orlando Bomfim Netto), Formato Ridotto. Libere Riscritturedel Cinema Amatoriale(AntonioBigini, Paolo Simoni e Claudio Giapponesi), Tudo vai ficar da cor que você quiser (Letícia Simões), Boogie-Woogie na Favela (Daniel Salomão Roque), Miragem (Virgínia Pinho), Boa Morte (Débora de Oliveira), Valentina (Eduardo Souza Lima), Nessa cidade todo mundo já bebeu na bica(Keila Serruya),Nitrate Flames (MirkoStopar)e Tropicália (Marcelo Machado). Os vencedores da competitiva serão agraciados com oPrêmio Batoque na cerimônia de encerramento do evento, agendada para o dia 13 de novembro, às 19h30, no Cine-Pátio, no Arquivo Nacional.

Na Mostra Acervos, o foco principal é a preservação e difusão de acervos filmográficos e da memória do cinema. Dessa maneira, o evento traz uma seleção de filmes sob guarda de instituições científicas, educacionais, arquivísticas, com o objetivo de aproximar o público dos acervos, contribuindo para a difusão de filmes antigos, películas restauradas, material recém-disponibilizado ao público. Os filmes eleitos são  Jornal Carioca, Largo do Boticário (Humberto Mauro), Cidade do Rio de Janeiro (Adalberto Botelho), Família Movie (Ana Moreira),FondationMarcelMerieux – Brésil 1974-1975 (CompagnieLyonnaise de Cinéma em colaboração com Jean Manzon) e Rio – Anos 20 – Carnaval (Título atribuído).

Mostra Homenagem celebra a história de vida e carreira da imigrante portuguesa Carmen Santos. A atriz, diretora, produtora e roteirista, acompanhou de perto a transição do cinema silencioso para o sonoro e firmou estreitas relações pessoais e profissionais com outros grandes nomes da história do cinema brasileiro como Humberto Mauro, Mário Peixoto, Edgar Brasil, Pedro Lima e Ademar Gonzaga.  Compondo a grade de programação dessa mostra, os três únicos longas-metragens que sobreviveram ao tempo: Sangue Mineiro (1929), Limite (1930) e Argila (1942), e para completar a celebração, o aclamado curta-metragem Mar de Fogo (2014), de Joel Pizzini. 

As sessões da Mostra Arquivo faz Escola têm por objetivo chamar a atenção do público escolar para a importância da preservação da memória cinematográfica, assim como promover a utilização do cinema como uma ferramenta de aprendizado e despertar o interesse pela produção nacional. Os filmes propostos pela organização do evento buscam despertar no público infantojuvenil o interesse pelo cinema nacional, incentivando a curiosidade e ampliando suas possibilidades cinematográficas, exibindo obras às quais não tenham tão fácil acesso. Já na Mostra Arquivos do Amanhã, as sessões são direcionada para ao público do ensino médio.

As sessões da Mostra Arquivo faz Escola têm por objetivo chamar a atenção do público escolar para a importância da preservação da memória cinematográfica, assim como promover a utilização do cinema como uma ferramenta de aprendizado e despertar o interesse pela produção nacional. Integram a programação Últimas conversas (Eduardo Coutinho), Carioca era um Rio (Simplício Neto), Cartola: Música para os olhos (Hilton Lacerda e Lírio Ferreira) e Maré, Nossa História de Amor (Lúcia Murat). Já na Mostra Arquivos do Amanhãas sessões são direcionadas para ao público do ensino médio.

DEBATES

A programação das mesas de debates do Arquivo em Cartaz contemplará discussões sobre memória e história do cinema brasileiro e sobre a preservação e acesso aos arquivos audiovisuais. Também será espaço para refletir sobre novas produções cinematográficas realizadas a partir de imagens de arquivo. Serão realizados três debates: Memórias audiovisuais – o fato, o tempo e o lugar da história. Os pioneiros do cinema na cidade do Rio de Janeiro, abordando a importância das salas de cinema de rua e sua extinção nas últimas décadas e a trajetória de Carmen Santos; Visões e revisões – materiais de arquivo nas produções documental, ficcional e jornalística ePor dentro dos arquivos cinematográficos – desafios para a gestão, preservação, conservação e acesso aos acervos de cinema.

LANÇAMENTO REVISTA-CATÁLOGO

A revista-catálogo Arquivo em Cartaz tem como proposta principal trazer reflexões, questionamentos e resultados de pesquisas sobre o cinema. A publicação reúne artigos, ensaios e entrevistas inéditas de pesquisadores, acadêmicos, profissionais e personalidades do universo audiovisual com temática relacionada à preservação do patrimônio cinematográfico mundial e à memória do cinema brasileiro, dando especial destaque aos temas abordados durante o Arquivo em Cartaz.

EXPOSIÇÕES

O Arquivo em Cartaz promove duas exposições temáticas alusivas à história da cidade do Rio de Janeiro para celebrar os 450 anos da cidade.  A exposição Rio em Movimento: cidade natural, cidade construção está em cartaz na sede do Arquivo Nacional até março de 2016 apresenta uma visão sobre as intervenções no espaço urbano e na geografia da cidade, desde o período colonial até finais dos anos 1970, já não mais Distrito Federal. A exposição denominada Rio 1908: a cidade de portos abertos originalmente inaugurada em 2007, às vésperas do bicentenário da chegada da corte ao Brasil, a partir de seu acervo de fotografias, obras raras, desenhos e plantas originais, poderá ser visitada no Espaço BNDES, até o dia 5 de fevereiro.


ENCERRAMENTO E PREMIAÇÃO

O encerramento da primeira edição do Arquivo em Cartaz acontece no dia 13 de novembro, às 19h30, no Cine-Pátio – Arquivo Nacional, com o anúncio e premiação dos filmes vencedores na Mostra Oficina Lanterna Mágica e Mostra Competitiva. Os vencedores serão agraciados com o Prêmio Batoque, que leva o nome do artefato em torno do qual a película é enrolada, seu núcleo, que lhe confere forma e sustentação. O prêmio simboliza, assim, a preservação de filmes, razão primeira do festival.

Os ganhadores nas categorias de melhor filme (longa, média e curta) serão contemplados com até 10 minutos de imagens em movimento do acervo do Arquivo Nacional. Batizado de Jurandyr Noronha, o prêmio de melhor utilização de imagem de arquivo presta homenagem a uma vida dedicada ao cinema. Parceiro do evento, o CTAV, também premiará o melhor curta-metragem com serviços de edição de imagem.

O Júri Oficial conta com a participação da cineasta e atriz Ana Maria Magalhães, de Luciana Savaget, escritora, jornalista e editora do Arquivo N da Globo News, além de João Luiz Vieira, professor titular do Departamento de Cinema e Vídeo e membro do corpo colaborador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFF.

A noite de encerramento contará, ainda, com a exibição do longa Allende, mi abuelo Allende, documentário coproduzido por Chile e México e dirigido por Marcia Tambutti.

Fonte: ETC Comunicação. 
Share this article :
 
Copyright © 2015. antigo.Cinesom. Jornalista Responsável: Elisabete Estumano Freire.