Home » , , » Confira a programação de filmes da TV Brasil (17 a 21 de Agosto)

Confira a programação de filmes da TV Brasil (17 a 21 de Agosto)


Quarta-feira, 17 de agosto
Lara
22h, na TV Brasil

Ano: 2002. Gênero: documentário. Direção: Ana Maria Magalhães.

Lara conta a agitada história da atriz Odete Lara, considerada uma das musas do Cinema Novo. Dirigido por Ana Maria Magalhães, a cinebiografia lançada em 2002 traça um panorama sobre a vida e a obra da artista que faleceu em 4 de fevereiro de 2015.
Filha de um operário italiano, a artista saiu da periferia de São Paulo para tornar-se a Deusa Loira do cinema brasileiro. Com trilha sonora de Dori Caymmi, o longa se baseia em diferentes momentos de sua trajetória para fazer um retrato de mulher, de uma geração e do mundo em que ela construiu a sua carreira.

A estonteante beleza de Odete Lara lhe abriu muitas portas, mas rapidamente seu talento também foi reconhecido. Ela começou fazendo desfile de moda – apesar de ter apenas 1,60m de altura -, foi garota propaganda da TV Tupi antes de ser atriz do teatro onde conheceu o sucesso.

Do teatro ao cinema foi um pulo. O cinema deu a Odete o status de estrela. Ela se tornou uma das mulheres mais cobiçadas do país. Apesar disso, o sucesso não trouxe felicidade. Ela teve várias relações amorosas decepcionantes e destrutivas.

A trama tem como pano de fundo os 30 tumultuados e mais importantes anos da vida brasileira no século passado: dos anos 1930 a meados dos anos 1970. Três atrizes interpretam Odete Lara em épocas diferentes de sua vida. Luanne Louback faz Odete criança, Maria Manoella é a adolescente e Christine Fernandes é a atriz adulta. Caco Ciocler protagoniza Guima, o personagem masculino mais importante na vida de Odete.

Na infância, Lara Brandini (Christine Fernandes) era uma menina depois da morte de sua mãe por suicídio. Durante a adolescência, ela viveu em uma pensão modesta com seu pai, Francesco (Camilo Bevilacqua). Ao crescer e se tornar atriz, Lara passa a viver com Guima (Caco Ciocler), um dramaturgo que teve sua peça teatral censurada pelo governo. Após a liberação do espetáculo, o texto é montado com Lara no elenco, mas logo depois ela e Guima se separam.

Em busca da ascensão profissional, a artista se dedica totalmente à carreira e acaba sendo premiada como a melhor atriz do ano, até descobrir que o sucesso artístico não a fizera feliz como almejava ser. 

Reprise. 107 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h
__________________________________________


Quarta-feira, 18 de agosto
Pátria
19h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: Documentário. Direção: Fábio Meira.

O vôlei feminino só conquistou sua primeira medalha olímpica em 1996, nos Jogos de Atlanta. As responsáveis por este feito foram Fernanda Venturini, Ana Moser, Márcia Fu, Hilma, Ana Flávia, Ida, Ana Paula, Virna, Leila, Fofão, Filó e Sandra. Base da equipe titular da seleção, as atletas trouxeram o bronze para o Brasil após um emocionante jogo contra a seleção russa.

Até então, a modalidade não contava com tantos investimentos. A partir do exemplo desse grupo vitorioso, mudou-se a percepção, dando maior importância ao esporte.

Quem não se lembra da fatídica semifinal contra Cuba? Talvez seja essa a principal recordação dos brasileiros em relação a essa equipe: a explosiva rivalidade entre as seleções femininas de vôlei na década de 90, com foco na disputa olímpica de Atlanta.

Além de mostrar diversas cenas daquela histórica semifinal, o documentário “Pátria” recupera imagens de arquivo e traz entrevistas com atletas e comissão técnica, além do depoimento de jogadoras de gerações anteriores, como Jaqueline e Isabel.

O filme percorre o caminho da conquista da medalha, visitando locais emblemáticos como o Mineirinho, o Maracanazinho e o ginásio do Ibirapuera. Naquela oportunidade, as meninas do Brasil chegaram pela primeira vez a uma final de um campeonato mundial, embaladas por 25 mil torcedores.

A produção também vai em busca da tricampeã olímpica Mireya Luís, antagonista dessa saga e notória algoz da seleção nacional e do técnico da seleção cubana, Eugênio Jorge. O diretor Fábio Meira reuniu Ana Moser, Marcia Fu, Virna além das rivais Mireya Luís, Regla Torres e Carvajal para ver o jogo de novo. A reação das atletas remete às provocações da época.

O documentário “Pátria” conta a trajetória desse formidável elenco de vôlei feminino que conquistou o primeiro pódio olímpico da modalidade, com a medalha de bronze, e colocou o Brasil na elite do esporte. 
Reprise. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
19h30, na TV Brasil

__________________________________________


Sábado, 20 de agosto
Árido Movie
23h, na TV Brasil

Ano: 2006. Gênero: drama. Direção: Lírio Ferreira, com Guilherme Weber, Giulia Gam, Gustavo Falcão, Selton Mello, José Dumont.

Jonas (Guilherme Weber) é um famoso repórter do tempo de uma grande emissora de televisão que mora em São Paulo. Ele retorna à sua cidade-natal, no interior do Nordeste, para o enterro do pai (Paulo César Pereio) com quem teve pouquíssimo contato e que foi assassinado.

No caminho para a região, Jonas enfrenta problemas para chegar ao seu destino até que recebe carona de Soledad (Giulia Gam). A videomaker que está fazendo um documentário sobre a água no sertão. Ao chegar à cidade, ele encontra uma parte da família que não conhecia até então. Os parentes cobram que ele se vingue da morte do pai.

O drama “Árido Movie”, dirigido por Lírio Ferreira, conquistou seis prêmios no Festival Cine PE nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Selton Mello), Melhor Fotografia, Melhor Edição e Prêmio da Crítica.

A Associação Paulista de Críticos de Arte reconheceu a produção com o prêmio de Melhor Edição. O filme ainda ganhou o prêmio Lente de Cristal na categoria de Melhor Diretor no Festival de Cinema Brasileiro de Miami. No Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, o longa recebeu 12 indicações.

Reprise. 115 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
23h, na TV Brasil
__________________________________________

Sábado, 20 de agosto (madrugada de sábado para domingo)
Caminho à Baixada
01h, na TV Brasil

Título original: Rumo a La Hoyada. País de origem: Peru. Ano: 2014. Gênero: documentário. Direção: Andrés Cotler.

Trinta anos depois do início da guerra civil no Peru e dez anos após a entrega do Informe da Comissão da Verdade, o documentário "Caminho à Baixada" questiona o destino dos 16.000 desaparecidos pela ação do Estado peruano e pelo Sendero Luminoso nos Andes peruanos.

Dirigido por Andrés Cotler, o documentário narra a história de três personagens que viajam de diversos vilarejos à cidade de Huamanga, em Ayacucho, onde esperam receber os restos mortais de seus familiares e dar-lhes um enterro digno.

No trajeto, eles falam sobre a violência e a dor que tiveram que enfrentar, contam histórias de suas vidas e destacam a luta incessante para sobreviver a essa época. No caminho encontramo outros personagens com quem reconstroem a memória de seu tempo. 

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 14 anos
01h, na TV Brasil


_________________________________________

Domingo, 21 de agosto
O grande xerife
16h30, na TV Brasil

Ano de estreia: 1972. Gênero: comédia. Direção: Pio Zamuner, com Amácio Mazzaropi, Patricia Mayo, Paulo Bonelli, Tony Cardi, Augusto César Ribeiro.

Mazzaropi interpreta um viúvo pai de Mariazinha. Ele é o morador mais antigo de Vila do Céu onde vive cuidando da vida dos outros. Um dia, chega na cidade, disfarçado de padre, o bandidão João Bigode.

O maldoso mata o xerife e põe Pororóca em seu lugar. A confusão está armada e só o nosso Grande Xerife pode proteger a cidade. 


Reprise. 95 min.

Classificação Indicativa: Livre
16h30, na TV Brasil

_______________________________________


Domingo, 21 de agosto (meia noite de domingo para segunda-feira)
Ezra
00h, na TV Brasil

Título original: Ezra. País de origem: Nigéria. Ano: 2007. Gênero: drama. Direção: Newton I. Aduaka, com Mamoudu Turay Kamara, Mariame N'Diaye, Mamusu Kallon, Richard Gant.

Ex-lutador da Serra Leoa, o jovem Ezra está batalhando para encontrar seu rumo e voltar a ter uma vida normal após a guerra civil que devastou o seu país. A rotina do rapaz é dividida entre um centro de reabilitação psicológica e um tribunal de reconciliação nacional organizado sob autorização da ONU.

Durante o julgamento de reabilitação em que Ezra participa, ele tem que enfrentar sua irmã que o está acusando do assassinato de seus pais. O jovem, porém, não se lembra de nada.

Quando o tribunal busca estabelecer a participação do rapaz na guerra civil em Serra Leoa, Ezra resgata seus anos como criança soldado. Toda a confusão e violência dessa experiência é vista nas recordações do atormentado adolescente.

Ezra oscila entre os alucinados fragmentos de memória e a sua relutância em confrontar horríveis segredos do passado, também testemunhados por sua irmã Onitcha, cujas terríveis lembranças a deixaram muda.

Selecionado para a Semana da Crítica em Cannes, o drama nigeriano dirigido por Newton I. Aduaka conquistou o Grande Prêmio no Festival Ouagadougou. 

Reprise. 103 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
00h, na TV Brasil

________________________________________


Domingo, 21 de agosto (madrugada de domingo para segunda-feira)
Disparos
02h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: ação, policial, suspense. Direção: Juliana Reis, com Gustavo Machado, Caco Ciocler, Julio Adrião, Dedina Bernardelli.

Ao sair de uma sessão de fotos para um guia gay do Rio, Henrique (Gustavo Machado) é assaltado por dois motoqueiros armados. Ele assiste, estupefato, ao atropelamento dos ladrões, por algum motorista solidário.

De alma lavada, Henrique recupera sua câmera e segue seu caminho, mas retorna buscar o cartão de memória com as fotos que fez, caído durante o incidente. Ele passa assim a acusado do crime de omissão de socorro, do qual seu agressor é a vitima.

Dali, Henrique é levado para a DP e, em seguida, para a emergência do hospital Souza Aguiar, tentando se inocentar, ainda que sentindo-se cada vez menos inocente.

Baseado em fatos reais, o longa é um thriller político e social, com uma trama de ação policial, que tematicamente, destrincha o instante na vida de um indivíduo confrontado com a violência urbana e examina o quanto dessa violência não é carregada para dentro do espaço privado das relações interpessoais.

A perplexidade é o fio condutor deste relato, a partir de uma narrativa imparcial e sem julgamento. Como sobrevivem e evoluem as relações humanas quando expostas a altos índices de violência urbana e barbárie social?

Estas são as principais questões abordadas em “Disparos” que não perde o foco testemunhal e onisciente sobre a violência urbana.

A história também é sustentada pelo olhar dos personagens secundários como o do atropelador do assaltante, o motoboy cúmplice que foge mancando, a jovem turista que, em defesa do bandido moribundo, quase é linchada.

Filme de estreia como diretora da roteirista Juliana Reis, o drama “Disparos” participou da Mostra Competitiva da Première Brasil, durante o Festival do Rio 2012, e foi premiado em três categorias: Melhor Fotografia Melhor Montagem; e Melhor Ator Coadjuvante (Caco Ciocler). Em sua trajetória internacional, o longa conquistou o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Los Angeles.

Reprise. 82 min.
Classificação indicativa: 14 anos
02h30, na TV Brasil


------------------------------------------------------------------
Marcia Pinto
Gerente de Comunicação Institucional
Empresa Brasil de Comunicação|TV Brasil|Rádios Nacional e M
Share this article :
 
Copyright © 2015. antigo.Cinesom. Jornalista Responsável: Elisabete Estumano Freire.