Home » , , , » Filmes nacionais e documentários de Portugal e Cuba na programação da TV BRASIL (12 a 18 de Dezembro)

Filmes nacionais e documentários de Portugal e Cuba na programação da TV BRASIL (12 a 18 de Dezembro)



Nesta segunda (12), às 23h, o documentário português "Esta é a Nossa Rua" faz uma viagem pelos dois quilômetros e meio da Avenida Almirante Reis em Lisboa. A rua apresenta um retrato da diversidade étnica, religiosa, social e cultural.

Nesta terça (13), às 22h, o longa brasileiro "Menos que Nada" traz elementos de drama psicológico e investigação policial. 

Já na quarta (13), às 22h, o filme "Cinderelas, lobos e um príncipe encantado", do cineasta Joel Zito de Araújo, discute a exploração sexual.

Na quinta (15), às 22h, o destaque é a produção nacional "Besame Mucho", premiado longa com grande elenco e baseado na peça homônima de Mário Prata.

Na sexta (16), às 22h, vai ao ar o drama brasileiro "O Sol do Meio Dia".

No próximo sábado (17), às 12h30, a TV Brasil emissora apresenta a produção "A Luta Continua – um documentário em 12 rounds" que mostra a história olímpica do boxeador Servílio de Oliveira. Às 16h30, entra em cartaz o longa "Centro de Gravidade" trata de questões universais sobre o amor e as expectativas em relação ao amado. Já às 23h30, o canal exibe o filme português "Esta é a Nossa Rua" e, às 4h, o documentário cubano "Mãos de Pai".

Por fim, no domingo (18), às 19h30, está programado o longa "Os dias com ele", cinebiografia do filósofo, dramaturgo e professor Carlos Henrique Escobar. À meia-noite, a atração é o documentário "Diários Guaranis" que acompanha dúvidas, certezas e contradições na visão de um dos mais brilhantes pensadores do Paraguai, o sacerdote jesuíta Tomeu Melià.



Veja a programação completa (12 a 18 de dezembro):


Segunda-feira, 12 de dezembro

Esta é a Nossa Rua
23h00, na TV Brasil

País de origem: Portugal. Ano: 2009. Gênero: documentário. Direção: Margarida Metello. Produção: Ana Lucas - RTP.

O documentário português “Esta é a Nossa Rua” faz uma viagem pelos muitos mundos que se cruzam nos dois quilômetros e meio da Avenida Almirante Reis em Lisboa. A rua apresenta um retrato da diversidade étnica, religiosa, social e cultural.

Da parte de baixo até o alto, a via demonstra essa variedade não apenas étnica, mas também social. Na zona tradicionalmente mais popular, a avenida é pobre e degradada, habitada, sobretudo por idosos e imigrantes e ensombrada por estigmas. À medida que se sobe em direção ao Areeiro, a avenida vai ficando cada vez mais branca, larga e farta para acabar num bairro típico da alta burguesia lisboeta.

As pessoas que vivem e trabalham na avenida guiam a câmera do filme para mostrar o que os prende ali, os seus sonhos e desilusões e o que pensam de quem mora na região.

A Avenida Almirante Reis em Lisboa é seguramente a artéria mais multicultural do país. A qualquer hora do dia ou da noite, ao andar pela rua é possível encontrar chineses, africanos, indianos, paquistaneses, bangladeshianos, brasileiros e europeus do leste e até portugueses.

Dirigido pela jornalista Margarida Metello, o documentário “Esta é a Nossa Rua” foi reconhecido em festivais portugueses de cinema. O longa conquistou o Grande Prêmio da Lusofonia “Manoel de Oliveira” no Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão. A produção também foi vencedora da terceira edição do Prêmio de Jornalismo, Direitos Humanos e Integração promovido pelo Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS) e pela Comissão Nacional da UNESCO (CNU) de Portugal.

Inédito. 52 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h00


Terça-feira, 13 de dezembro

Menos que Nada
22h00, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: drama. Direção: Carlos Gerbase, com Alexandre Vargas, Artur Pinto, Branca Messina, Carla Cassapo, Elisa Volpatto, Felipe Kannenberg, Felipe Monaco, Letícia Lahude, Maria Manoella, Matheus Zoltowski, Roberto Oliveira, Rosanne Mullhlland.

Dante (Felipe Kannenberg) está internado num hospital psiquiátrico com diagnóstico de esquizofrenia. Ele não fala com ninguém, nem recebe visitas, permanecendo indiferente ao mundo.

Após ver Dante surtar no pátio do hospital, a Dra. Paula (Branca Messina), uma jovem psiquiatra fica interessada pelo caso. Disposta a desvendar as relações sociais do seu paciente, a médica faz uma série de entrevistas com pessoas que conviviam com ele antes do internamento.

Misto de drama psicológico e investigação policial, o longa “Menos que nada” também é uma reflexão sobre os limites do tratamento das perturbações mentais. Dirigido por Carlos Gerbase, o filme é uma adaptação do conto “O Diário de Redegonda”, do médico e escritor austríaco Arhur Schnitzler (1862-1931).

Reprise. 105 min.
Classificação Indicativa: 14 anos.
Horário: 22h00



Quarta-feira, 14 de dezembro

Cinderelas, lobos e um príncipe encantado
22h00, na TV Brasil

Ano: 2008. Gênero: documentário. Direção: Joel Zito Araújo.

O documentário do cineasta Joel Zito Araújo denuncia que cerca de 900 mil pessoas são traficadas pelas fronteiras internacionais a cada ano exclusivamente para fins de exploração sexual. Crianças vítimas de abusos como a pornografia ou turismo sexual alcançam a marca de 1,8 milhões no mundo.

Apesar de todos os perigos, jovens mulheres brasileiras ao entrar no mundo do turismo sexual acreditam que vão mudar de vida e sonham com o seu príncipe encantado. Uma minoria até consegue encontrar um grande amor e casar.

Em “Cinderelas, lobos e um príncipe encantado”, o diretor Joel Zito Araújo viaja pelo nordeste brasileiro e pela Europa, na Itália e Alemanha, para entender os imaginários sexuais, raciais e de poder das jovens cinderelas do sul e dos lobos do norte.

O cineasta discute o sonho de cinderela de várias mulheres brasileiras que buscam encontrar um marido europeu. Muitas migram e se tornam dançarinas em apresentações de ritmos ligados ao Brasil. Sem estudo ou formação profissional, outras se transformam em prostitutas. Mas, uma minoria consegue criar o seu final feliz.

O documentário “Cinderelas, lobos e um príncipe encantado” conquistou os prêmios de Melhor Filme e Melhor Diretor na votação do público do Festival Iberoamericano de Sergipe (Curta-SE 9). No Festival de Brasília, o longa ganhou Menção Honrosa, mesmo reconhecimento oferecido pelo Júri da Mostra Vidas na Tela de Natal. A produção foi considerada o Melhor Documentário também na votação do público.

Reprise. 108 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 22h00



Quinta-feira, 15 de dezembro

Besame Mucho
22h00, na TV Brasil

Ano: 1987. Gênero: Drama . Direção: Francisco Ramalho Jr., com José Wilker, Antônio Fagundes, Glória Pires, Christiane Torloni, Giulia Gam, Paulo Betti, Isabel Ribeiro, Iara Jamra, Vera Zimmermann, Linda Gay, Wilma Aguiar, Sylvio Mazzuca e sua orquestra

Besame Mucho mostra a trajetória dos casais de amigos Xico e Olga e Tuca e Dina. As relações desses casais são mostradas como um retorno ao passado, compassagens desde os sonhos de adolescência às frustrações da maturidade. Eles se conheceram numa cidadezinha do interior paulista, mas um dos casais decide tentar a sorte na cidade grande.


Esse retorno mágico e realista no tempo descreve a amizade entre dois homens, que viveram a alegria dos anos 60, o desencanto dos anos 70 e a queda dos anos 80. Um retorno que, no final, chega às causas que fizeram dos personagens o que eles são: o namoro com as duas garotas, ingênuas e simples, ao som da música que dá nome ao filme.


Baseado em peça homônima de Mário Prata, o filme recebeu o prêmio de Melhor Filme do Festival Ibero-americano de Hueva e os Kikitos de Melhor Figurino e Melhor Roteiro no Festival de Gramado.

Reprise. 108 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h00


Sexta-feira, 16 de dezembro

O Sol do Meio Dia
22h00, na TV Brasil

Ano: 2009. Gênero: drama. Direção: Eliane Caffé, com Chico Diaz, Cláudia Assunção e Luiz Carlos Vasconcelos, Ary Fontoura.

"O Sol do Meio Dia" conta a história da formação de um triângulo amoroso em que os três personagens envolvidos rompem drasticamente com seus lugares de origem no interior do Brasil para uma viagem de redenção e autoconhecimento que acontece na cidade grande de Belém.

Após um crime passional, Artur (Luiz Carlos Vasconcelos) parte em busca de sua libertação. Ele conhece Matuim (Chico Diaz), dono de uma velha embarcação bastante diferente da sua. Eles iniciam a viagem pelo rio, mas logo são obrigados a seguir por terra. É quando conhecem Ciara (Cláudia Assunção), que se dirige à cidade de Belém. Os três formam um triângulo amoroso, que desperta em Artur lembranças do crime por ele cometido.

O drama dirigido por Eliane Caffé apresenta o calor do norte brasileiro em suas imagens e numa complicada história de amor e desamor. Rodado inteiramente no Pará, o longa “O Sol do Meio Dia” une as pontas de um triângulo escaleno amoroso vivido por seus personagens.

Covarde por natureza e heroico por desejo, Matuim faz de tudo para levar a vida na flauta, mesmo que desafinada, mas sofre um revés atrás do outro. E sua vida ganha outros tons quando seu destino cruza com o de Artur.

O drama “O Sol do Meio Dia” proporcionou aos atores Chico Diaz e Luiz Carlos Vasconcelos o prêmio de Melhor Ator no Festival do Rio em 2009. Chico Diaz foi indicado na mesma categoria no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

O longa conquistou o Prêmio da Crítica de Melhor Filme Brasileiro na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo no mesmo ano.

Reprise. 106 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 22h00


Sábado, 17 de dezembro

A Luta Continua – um documentário em 12 rounds
12h30, na TV Brasil

Ano: 2012. Gênero: documentário. Direção: Renata Sette Aguilar.

O Brasil conquistou sua primeira medalha olímpica no boxe em 1968. O autor da façanha foi o pugilista Servílio de Oliveira, ganhador do bronze. A produção traça um panorama sobre a trajetória do boxeador que traz um discurso repleto de jabbings e esquivas.

Organizado em 12 minicapítulos, como os 12 rounds de uma luta, o documentário apresenta vida própria em cada parte, com começo, meio e fim. Essas sessões contam uma história, um conflito, uma solução, uma vitória ou uma derrota. O boxe imita a vida e a produção dirigida por Renata Sette Aguilar imita o boxe.

O filme “A Luta Continua – um documentário em 12 rounds” procura desvendar o homem por trás da medalha e mostrar toda a sua emocionante saga para disputar os Jogos Olímpicos do México. O documentário entrevista personalidades do esporte como o ex-boxeador Éder Jofre.

Reprise. 26 min.
Classificação Indicativa: Livre
Horário: 12h30



Sábado, 17 de dezembro

Centro de Gravidade
16h30, na TV Brasil

Ano: 2011. Gênero: romance. Direção: Steven Richter, com Ana Carolina Lima, Julio Machado, Carolina Fauquemont, Erick Krominski, Thaís Coury, Thadeu Peronne e Andrés Pérez.

Um casal desafia os limites da privacidade e o poder da influência em seu relacionamento ao aceitar seus papéis num jogo que não se mostra tão destrutivo quanto parece. Na verdade, é bem o oposto.

Baseado no conto “Pity for the World”, do escritor americano David Plante, e ambientado no Brasil, o longa “Centro de Gravidade” aborda questões universais sobre o amor e as expectativas em relação ao amado, a linha tênue que simultaneamente divide e une um ao outro.

Com roteiro e direção de Steven Richter, a produção tem trilha sonora original de Erik Blood e é protagonizado por Julio Machado e Ana Carolina Lima. O filme, de baixo orçamento, foi rodado em seis dias em São Paulo, com duas câmeras e equipe mínima, seguido por um minucioso trabalho de pós-produção.

O resultado é um longa que sobrepõe qualidades literárias e cinemáticas de duas culturas de forma bem intrínseca: uma história com base americana recontada em língua portuguesa numa das maiores metrópoles do mundo, pontuada pela poética de um músico americano e a sensibilidade técnica do fotógrafo, do editor e do engenheiro de som brasileiros.

Com um roteiro intimista, uma linguagem cheia nuances, uma fotografia fluida e uma atuação impecável, o filme chamou a atenção da crítica durante o Raindance Film Festival, em Londres, onde foi exibido, em 2012, tendo entrado para a lista de destaques do festival por membros do staff, indicado como “uma obra-de-arte em atuação e em direção de atores”.

Reprise. 70 min.
Classificação Indicativa: 16 anos
Horário: 16h30


Sábado, 17 de dezembro

Esta é a Nossa Rua
23h30, na TV Brasil

País de origem: Portugal. Ano: 2009. Gênero: documentário. Direção: Margarida Metello. Produção: Ana Lucas - RTP.

O documentário português “Esta é a Nossa Rua” faz uma viagem pelos muitos mundos que se cruzam nos dois quilômetros e meio da Avenida Almirante Reis em Lisboa. A rua apresenta um retrato da diversidade étnica, religiosa, social e cultural.

Da parte de baixo até o alto, a via demonstra essa variedade não apenas étnica, mas também social. Na zona tradicionalmente mais popular, a avenida é pobre e degradada, habitada, sobretudo por idosos e imigrantes e ensombrada por estigmas. À medida que se sobe em direção ao Areeiro, a avenida vai ficando cada vez mais branca, larga e farta para acabar num bairro típico da alta burguesia lisboeta.

As pessoas que vivem e trabalham na avenida guiam a câmera do filme para mostrar o que os prende ali, os seus sonhos e desilusões e o que pensam de quem mora na região.

A Avenida Almirante Reis em Lisboa é seguramente a artéria mais multicultural do país. A qualquer hora do dia ou da noite, ao andar pela rua é possível encontrar chineses, africanos, indianos, paquistaneses, bangladeshianos, brasileiros e europeus do leste e até portugueses.

Dirigido pela jornalista Margarida Metello, o documentário “Esta é a Nossa Rua” foi reconhecido em festivais portugueses de cinema. O longa conquistou o Grande Prêmio da Lusofonia “Manoel de Oliveira” no Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão. A produção também foi vencedora da terceira edição do Prêmio de Jornalismo, Direitos Humanos e Integração promovido pelo Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS) e pela Comissão Nacional da UNESCO (CNU) de Portugal.

Reprise. 52 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 23h30


Sábado, 17 de dezembro (madrugada de sábado para domingo)

Mãos de Pai
04h00, na TV Brasil

Título original: Manos de Padre. País de origem: Cuba. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Marcel Beltrán. Produção: María Carla del Río. Diretor de Fotografia: Javier Pérez.

Regina e Mauricio, um casamento de mais de 30 anos, fazem uma viagem a lugares que marcaram sua união e aonde nunca pensavam voltar.

Na metade da viagem, separam-se. Regina vai festejar o aniversário de sua mãe. Everardo, o pai de Regina, nunca aceitou um homem para sua filha que estivesse fora de seus ideais de pai. Durante a celebração familiar, uma ligação de Mauricio surpreende a todos.

O longa cubano “Mãos de Pai” é dirigido por Marcel Beltrán.

Reprise. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 04h00


Domingo, 18 de dezembro

Os Dias com Ele
19h30, na TV Brasil

Ano: 2013. Gênero: documentário. Direção: Maria Clara Escobar.



O documentário apresenta a trajetória de uma jovem cineasta que mergulha no passado quase desconhecido de seu pai, o filósofo, dramaturgo e professor Carlos Henrique Escobar. A produção apresenta as descobertas e as frustrações ao acessar a memória de um homem e de uma parte da história – a ditadura militar – que são raramente expostos.

Intelectual brasileiro, preso e torturado durante a ditadura, Carlos Henrique Escobar não aborda esses temas desde aquele tempo. A filha, Maria Clara Escobar, parte em busca de sua identidade.

A cinebiografia "Os dias com ele" conquistou o prêmio de Melhor Filme no Festival de Cinema de Tiradentes. A produção ainda recebeu Menção Honrosa no Festival de Cinema de Havana e na Quinta Semana dos Realizadores. O longa também teve Menção Especial no Festival de Cinema de Murcia (Espanha).

Reprise. 107 min.
Classificação Indicativa: 12 anos
Horário: 19h30



Domingo, 18 de dezembro (madrugada de domingo para segunda-feira)

Diários Guaranis
00h00, na TV Brasil

Título original: Diarios Guraníes. País de origem: Paraguai. Ano: 2016. Gênero: documentário. Direção: Marcelo Martinessi. Produção: La Babosa Cine.

O documentário "Diários Guaranis" acompanha dúvidas, certezas e contradições na visão de um dos mais brilhantes pensadores do Paraguai, o sacerdote jesuíta Tomeu Melià.

Ele conta suas experiências de vida numa pequena comunidade de índios Mby’a-Guarani do Paraguai, entre 1969 e 1973. A partir dos registros sonoros e fotográficos, além de seus diários, a produção acompanha a trajetória de reflexão do homenageado.

O longa paraguaio "Diários Guaranis" tem direção de Marcelo Martinessi.

Inédito. 54 min.
Classificação Indicativa: 18 anos
Horário: 00h00


Fonte: Fernando Chaves
Coordenador de Comunicação

Gerência de Comunicação
Empresa Brasil de Comunicação | TV Brasil | Rádios Nacional e ME
Share this article :
 
Copyright © 2015. antigo.Cinesom. Jornalista Responsável: Elisabete Estumano Freire.